30 setembro 2010

Chico Buarque fala sobre racismo.

Francisco Buarque de Hollanda ou Chico Buarque, fala sobre racismo. Bem ele Casou-se com e separou-se ates teve três filhas: Sílvia,Helena, casada com o percussionista Carlinhos Brown e Luísa. . .

Bem aperta o play. . .



... e comente!

29 setembro 2010

Mulheres negras na capa da Playboy

Quem nunca parou em uma banca de jornal para ver a capa das revistas, seja pra criticar ou pra contemplar. Ai vai as Mulheres negras que viraram capa da revista Playboy segundo o portal Terra.


A capa da 'Playboy' de janeiro de 1979, com a modelo americana Darine Stern (1948-1994), a primeira negra a posar para a publicação



Na capa de fevereiro de 1980, a mulata Sônia evocava o Carnaval



A atriz Isabel Fillardis estampou a capa da edição de novembro de 1996



A modelo Rosiane Pinheiro, musa da Copa do Mundo de Futebol, posa para a capa da Playboy de junho de 1998



A vencedora do reality show 'Amor a Bordo' (do 'Caldeirão do Huck' / Globo) foi a estrela da capa de outubro de 2002



Rainha do Carnaval carioca de 2009, Jéssica Maia posou em fevereiro deste ano



A atriz Juliana Alves, a Suellen da novela 'Caminho das Índias' (Globo), foi a sétima mulher negra a estampar uma capa da 'Playboy' brasileira. Ela é a musa da edição de outubro.


Jaqueline Faria ex-BBB, estampa a capa da revista Playboy do mês de Maio 2011.




FONTE: http://diversao.terra.com.br/

Onde Você Guarda o Seu Racismo?

28 setembro 2010

Caxias Fashion - Brigida Patchwork #parte2

Por: Fabio Alves


Olha o sofá do Caxias Fashion , lindo, cheio de Patchworks! Ah, vc não sabe o que é? Momento Google... “É um trabalho manual feitos de pedaços de tecidos emendados. O Patchwork é a emenda dos retalhos costurados de forma a formar desenhos...” Entenderam? Entenderam?

Bem, voltando... O sofá chamou tanta atenção do público que cada pessoa que passava ouvia-se: “Eu quero um desses lá em casa!”

Mas não é só de sofá que vive a marca Brigida Patchwork, que desfilou no primeiro dia do Caxias Fashion, blusas vestidos sapatilhas bolsas são algumas das obras, coisas de deixar qualquer mulher maluca. A grife Brígida é formada pelos empresários, José Félix da Costa e a estilista Brígida Santos. O grande frenesi das meninas foram as bolsas e vestidos todos trabalhadas no Patchwork.





Gostou?
da uma olhada como fica ! Da uma olhada como foi o desfile...no Caxias Fashion










Então é só ir lá e dar um confere http://brigidaacessorios.blogspot.com/

LEIA A PARTE3

27 setembro 2010

Caxias Fashion #parte1

Por: Fabio Alves

A sexta edição do Caxias Fashion, maior evento de moda da Baixada Fluminense, foi um sucesso! Durante os quatro dias, belas modelos se revezaram na passarela, vestindo grifes e estilistas.

Caxias Fashion que foi realizado no Shopping Caxias, na Washington Luiz, já virou referência de moda para a baixada. O tema deste ano foi Africanidade e o shopping representou muito bem, todo enfeitado para o clima do desfile.

Além do desfile fashion o público pode participar de oficinas de tranças, moda e artesanato. E uma Feira de Negócios foi instalada no interior do shopping. Na feira teve 20 estantes com estilistas, confecções e representantes do pólo industrial de moda da Baixada.

A Baixada Fluminense, apesar ocupar uma grande região, acaba ficando de fora dos grandes circuitos seja de moda ou cultura. O bom é que isso está mudando, ainda mais com a iniciativa de Cláudia Paula idealizadora do Caxias Fashion. ”Não importa onde está acontecendo o evento, e sim o que está acontecendo", afirma Mestre Bem, representante da Ação Comunitária do Brasil - Rio de Janeiro.

Da uma olhada no que rolou, além da Ação Comunitária do Brasi teve Marzio Foirini, Toulon, Dose Dupla, Brigida Patchwork, Círculo, ONG Comunidade de Comunhão Cristã, Magda Cris, Abelinha confecções, Azzemell, Riachuelo, ONG Espaço de Cidadania e Cultura, Marcelo Moianno, Pé de Criança, Maison Noivas, C&A, LIlica &Tigor, Alex Firmino, Renner ,SBX, Pano digital e Atelier Brazzavile.

Foto de : Rafael Paress


25 setembro 2010

Manos e Minas - Grandes Galerias

Juju Denden visita os salões de beleza das grandes galerias em São Paulo, tradicional reduto black da cidade. Cortes e penteados afro, dread, enroladinho, tranças..

24 setembro 2010

HAIR BEAUTY 2010


O Rio de Janeiro será a capital mundial da beleza e da estética.Nos dias 25 e 27 de setembro de 2010, o Riocentro recebe a Hair Beauty - 4ª Feira Internacional de Beleza, Cabelo e Estética. E é claro que o Trança *Nagô* não poderia ficar de fora.

HAIR BEAUTY é o principal encontro entre os profissionais e as empresas das áreas de cabelo, beleza, bem-estar e estética. A Feira funciona das 10 às 20:00 horas e os preços dos ingressos são; R$ 20,00 (um dia) R$ 30,00 ( dois dias) e R$ 40,00 ( três dias).

Durante três dias estarão circulando pelo Riocentro cerca de 40.000 visitantes, 200 caravanas de todo o país e 250 marcas expositoras nacionais e internacionais. Com 30% a mais de área de exposição em relação a 2009, a Hair Beauty espera atingir a marca de R$ 45 milhões em negócios gerados.

Dividida em 4 setores estratégicos: Hair Business, Hair Show, Varejo e Estética, a Hair Beauty 2010 oferece 80 horas de cursos paralelos à feira: 40 Workshops técnicos, oficinas de beleza do SENAC Rio, 4ª Jornada de Manicures, 2ª Jornada de Podologia, 4º Simpósio Científico Internacional de Estética e Cosmiatria, 4º Campeonato de Cabeleireiros Sinbel-RJ, 4º Fórum de Negócios e 10 megashows de hairstylists nacionais e estrangeiros, com a assinatura YOU Professional Show.

Um ponto de destaque é o Campeonato de Cabeleireiros Sinbel-RJ que vai distribuir R$ 25.000,00 em prêmios para as categorias: Corte,Forma e Cor; Corte Comercial Masculino; Penteado de Noiva; Corte Comercial Feminino; Pentado Livre Criatividade Artística Masculina e Feminina e Unhas Artísticas.

Uma das novidades da Hair Beauty este ano será o transporte gratuito em ônibus para o Riocentro, com pontos de embarque na Praça XV, Estação Siqueira Campos do Metrô e Terminal Alvorada.

A programação completa da Hair Beauty 2010 pode ser encontrada no site

www.hairbeautyexpo.com.br

Informações e inscrições com a Fagga Eventos, pelos telefones (21). 3035-3100 e 0800 2826270.

22 setembro 2010

MULHER DE FASES

É cientificamente comprovado ou nao ?
Por:Élida Aquino


“A lua mexe com o cabelo, sim!”. Minha sempre colocou fé. Tanta que toda vez que alguém da família comunica a decisão de cortar a juba ela diz “olha a lua”, depois de brigar bastante por causa do suicídio capilar, na opinião dela. Crendice ou não, minha vó alérgica aos cortes me faz passar por um calendário sempre que penso em cortar. E talvez você, assim como eu, passe por lá também. Mesmo sem saber de onde vem essa ideia e se realmente tem fundamento. De qualquer forma, vamos esclarecer as coisas antes da próxima tesourada?


É cientificamente comprovada a ação da lua sobre o movimento das marés; pensar que ela também movimenta o corpo humano, que é super composto por água, é normal. Mas estudiosos dizem que é mito, já que isso vale pra coisas de grande massa, como os oceanos, e não pra corpos pequenos como a cabeça humana. Tem gente que contraria a tese, já que a seiva das plantas, que são menores, é controlada pela lua. Beleza. Mas se a explicação dos cientistas não te convence e você ainda quer saber quando cortar, segue lendo.



A lua nova não é um bom momento pra cortar, mas dá pra investir numa coloração nova. A crescente, claro, é uma ótima oportunidade pra quem quer que o cabelo cresça logo. Na fase cheia os cabelos cortados ganham mais volume, apesar de crescer devagar é aí que eu corto. A minguante é considerada um bom momento pra cortar e fortalecer, mas minha vó diz que não é indicado.

Agora você pode criar sua teoria, ou seguir acreditando na de sempre. Independente do que a Dona Lua faz, dar créditos não vai fazer mal, na minha opinião. Aproveite e corte. Se puder. :*

Por:Élida Aquino

Leia também:
Vitamina T de tesoura



Preta Pretinha



Loja Preta Pretinha é o resultado de um sonho de infância das irmãs Joyce, Lúcia e Cristina. Foi a avó Maria Francisca quem sempre trabalhou a questão da auto-estima na família e que começou a fazer bonecas de pano com meia de seda e malhas na cor preta e marrom para as irmãs, que colocaram este sonho em prática. No ano 2000 nascia a Preta Pretinha Bonecas e Presentes Ltda, com a missão de inclusão para diversidade (“Por que Diversidade é coisa séria “).

Veja também a Barbie Negra e outras Bonecas Negras


Fonte :http://blogs.radarurbano.com.br/queen_odara/

21 setembro 2010

Ensaio fotográfico da Carolina Mendes

Modelo : Carolina Mendes
Fotógrafo : Lookinhas Oliveira









Modelo : Carolina Mendes
Fotógrafo : Lookinhas Oliveira

Reconhendo as minhas origens

Por: Ramona Flores


Como toda garota,com o cabelo denominado "ruim" perante a sociedade. Eu era uma das enriquecedoras dos salões de cabeleleiro,me submetia a vários tratamentos capilares, com químicas fortissímas,para que meu cabelo ficasse Liso, era em torno de três em três meses, esse sofrimento de puxa aqui, arde ali, fora as feridas que ficavam em meu couro cabeludo e o custo de cada tratamento. Fiquei escrava das químicas por 6 anos.

No fim de 2007 conheci uma pessoa da qual, até hoje sou grata, por ter aberto meus olhos à minha verdadeira origem, essa pessoa me ensinou que meus traços, meus lábios, meu cabelo "ruim"e meu nariz avantajado, que não precisava me submeter mais a sociedade, que impõem um padrão Europeu desdo momento em que nascemos,até o nosso crescimento.



Estou com 18 anos, porém vai fazer 3 anos do qual me reconheço como Negra, por mais que falem que Não sou Negra, por minha cor não ser escura, por dizerem que sou Branca, ou Amarela;sendo que minha cor esta em meu sangue,que é vermelho e vem de minha decendência afro brasileira, creio que não preciso de uma denominação de uma cor e sim o reconhecimento de meus antepassados.



Apartir do momento em que cheguei no salão do cabeleleiro que sempre tratou de meu cabelo e falei: - Gil corta toda a quimica e deixa meu cabelo Natural. Não foi apenas por estética ou moda, foi o reconhecimento de minha verdadeira origem, e o sepultamento de uma pessoa que não tinha a sua idêntidade própria e verdadeira.



E agora cá estou,feliz,linda e mais forte com ideias dos quais anteriormente não tinha.




Por: Ramona Flores

20 setembro 2010

Trança raiz, Trança rasteira, Trança enraizadas e Trança africana


Esse tipo de trança, coladinha ao couro cabeludo, tem um nome diferente em cada lugar do mundo. Trança nagô, trança raiz,trança agarradinha e por aí vai... 

Resumindo, são traças feitas junto ao coro cabeludo. Você sabia que trançar cabelo é uma técnica antiga, trazida pelos povos africanos?






Veja alguns exemplos de Trança raiz, Trança rasteira, Trança enraizadas, Trança africana, Trança nagô, Trança de carreirinha, Trança agarradinha...



Para sabe mais, clique aqui e descubra as possibilidades desse tipo de penteado e não deixe de dar uma lida na origem das tranças também.

18 setembro 2010

Você tem cuidar com seus cachos ?

Você tem cabelo cacheado e não sabe se corta ou não? Se alisa? Se prende se solta ? Qual produto bom para usa.. da uma olhada nesse vídeo é bem legal. =D



e ai gostou?

AfricArte



Serão expostas peças de arte africana, que apresenta um novo olhar sobre o continente.A Exposição AfricArt 2010, ficará de 20 de setembro a 5 de outubro. No shopping da Gávia -RJ www.africart.com

17 setembro 2010

Liberté

". . . aqui eu não sou um garoto negro, sou só um garoto."
Por: Jeh Blue Jeans

Uma vez vendo desenhos na TV, sem prestar muita atenção, eu ouvi uma frase de um personagem… era o desenho do Super Choque/Static Shock [aquele neguinho que estava numa explosão e ganhou poderes, ele e tantos outros, aliás, mas ele era o herói do desenho]. Enfim… nesse episodio especificamente ele vai visitar a áfrica com o pai e a irmã, não lembro bem se foi ainda no trem ou se ele esperou pisar no país pra dizer, mas a frase foi mais ou menos isso:

- O legal de estar na África, é que aqui eu não sou um garoto negro, sou só um garoto.

Disse isso e riu um riso de desenho… só isso e saiu pela cidade comprando e resolvendo mistérios com outro herói lá das áfricas, uma espécie de zorro. Bom… não sei se quando escreveram os autores tiveram essa idéia de reflexão, talvez sim, pois é um desenho cheio de reflexões do tipo.

Esse episodio me fez pensar… pensar muito, já tem uns anos que eu vi e ainda me lembro [bem mal… mas me lembro o espírito da coisa eu peguei pelo menos].

Me deu vontade de estar na África também, desde então senti-me inclinada aquele país, foi de lá que vieram 50% da minha carga genética por assim dizer, toda uma vida, séculos de vida alias… de vida e sofrimento… e o que eu sei deles? Nada.

Só o que li nos livros de historia, o livro que brancos me escreveram… e que dizem mostrar o meu povo. O que me lembra outro desenho… ou filme sei la… em que um menino diz que a historia não tem credito, nem validade, pois só é contada pelo lado que vence, pelo opressor… e se outro conta um lado novo, é relegado à categoria de contos populares… algo que não merece tanto mérito.



Sempre ouvi falar da época em que eles sofriam… eram escravos de brancos malvados, que castigavam e humilhavam… da criança aos velhos. ouvia falar também que graças à princesa boa, foram todos libertos e que depois disso foram felizes.

O que eu tive que descobrir sozinha, é que logo depois de livres eles foram presos de novo. Muitos senhores não soltaram.. e os que soltaram.. largaram de vez… e eles ficaram por ai…jogados no Brasil. Mendigos por todos os lados… sem trabalho e com fome e os que deram sorte não foram muito longe disso não. Recebiam menos… trabalhavam mais.

Um povo que veio sofrendo desde o dia em que europeus chegaram as suas terras, assim como fizeram aqui com os índios, saqueando, violentando e escravizando. Um povo marcado por batalhas, tragédias e muitas lutas… lutas desonestas.

E agora tentam consertar todo esse sofrimento, oferecendo a nós, como pedido de desculpas por séculos de dor, benefícios duvidosos. Comprovantes de incapacidade, de inferioridade, mascarados de intenções benevolentes. Fomos de mal do mundo a coitadinhos incapazes.

Sempre me pego pensando se estou mesmo livre, se existiu mesmo tal carta de princesa que garantia isso a todos nós. Que liberdade é essa? Que me faz mais presa com suas correntes invisíveis. Onde num país em que sou maioria, ainda me sinto tão menor.

Voltando… queria sentir o que o ele descrevia… a sensação de ser só uma garota, uma pessoa a mais andando nas ruas… estar num mundo… outra cultura, a que deveria ser a minha cultura e ser só mais uma.

Saber que se me olham não é por estranhamento, ou preconceito, viver num lugar onde não me olhariam de canto de olho, esses olhares tortos são os piores, ferem como armas.

Onde eu não ouviria piadas sobre o meu cabelo, onde a minha boca grande ou o nariz largo seria coisa bonita ou normal.

Um lugar onde as princesas sejam reais, sejam belas, e cheias de curvas e com roupas coloridas… e sejam deusas e seus príncipes sejam também reais… bravos caçadores, heróis do dia-a-dia e tenham todos a pele cor de mogno, o tom da meia-noite.

Onde a cultura do povo seria respeitada e vista como beleza e arte, dos colares de contas ás comidas…

Queria sair pelas ruas e ver as mães com seus filhos nas costas, nos braços, enquanto trabalham e ganham suas vidas, as crianças correndo, o mundo se movendo.. em meio a todas as dificuldades daquele pais. Fome, seca, miséria na sua mais dura face, e ai eles se aproximam e ficam aqui pertinho… eu não preciso ir longe… em outro continente para ver isso. Tenho uma áfrica aqui mesmo no Brasil.

Aqui também se passa fome, as pessoas morrem disso também aqui, morrem de sede, de doenças.. jogadas por ai…

Aqui eu veria as mesmas mães com seus bebes, vivendo e trabalhando… aqui também andaria por todos os lugares… andaria livre, com a liberdade que me deram.. desde que nasci.

Liberdade de sangue e suor de muitos… muitos que vieram de lá…
da terra onde eu queria ir passear e ser só uma garota.

Por: Jeh Blue Jeans

16 setembro 2010

Dread Lock #Parte1

Por Fernanda Moraes

Salve Salve Simpatia! Então, vocês que já leram aqui no Trança *Nagô* algumas coisas sobre o Dread Lock, mas para nos aprofundarmos, vamos começar, claro ,do começo. Ou pelo menos tentar porque algumas informações sobre o dread não são bem explicadas, mas o que todos sabemos é que essa forma de cuidar dos cabelos ficou conhecida por conta do Movimento Rastafari, seus adeptos usavam por questões religiosas. E para os desavisados o Dread lock não veio da Jamaica...

É quase impossível falarmos uma data precisa de quando esse tipo de cultura apareceu, mas usando a lógica e citações bíblicas que os Rastafaris usam, podemos calcular algumas centenas de anos. O que se sabe é que os Dread Locks, por praticidade, faziam parte também de povos que habitavam a região da Índia.

Sem dúvida nenhuma o Dread Lock mais famoso do mundo é do cantor, compositor e rastafari Bob Marley. Com suas músicas, Bob difundiu a religião pregando paz e irmandade para o mundo! Infelizmente em 1981 o cantor veio a falecer, mas se tornou lenda e é considerado o primeiro popular do Terceiro mundo.

Pensando em todas essas histórias (e informações) que por muitos anos ficaram perdidas ou apenas na memória de algumas pessoas, não tem como deixar de pensar em ancestral... Em mais uma cultura que por muito pouco não foi apagada da história. Nossa história!

Os dread Locks voltaram com tudo, entre altos e baixos, posso afirmar que hoje estamos no auge, mas me parece que isso pouco tem a ver com cultura, com ancestralidade... mas uma pergunta sempre fica no ar:

Quantas pessoas vocês não conhecem de dread?E você ai,tem dread porquê é bonito, porque está na moda,na novela,na passarela ou porquê é a tua cultura e você tá afim de gritar(como a menina do black,como o cara de trança...) que seu cabelo também é lindo?

Pensa nisso!


fotos: google
Por Fernanda Moraes

Chris Rock - Racismo

15 setembro 2010

Caxias Fashion chega a seu sexta edição



O Caxias Fashion, evento de moda que já faz parte do calendário da Baixada Fluminense, chega a sua 6º edição repleto de novidades. Na passarela, marcas de destaque que ditam tendências e estilistas da Baixada que produzem moda para o todo o Brasil se apresentarão em quatro dias de desfiles, sempre das 18h às 22h. Serão mais de 40 lojistas e grifes locais, além de 60 modelos, que vão ocupar a passarela montada na Praça de Eventos.

Outra atração muita esperada do evento é a Feira de Negócios. Nesta edição, serão 20 estantes com estilistas, confecções e representantes do pólo industrial de moda da Baixada, além de oficinas de moda e artesanato de entidades como FAETEC, Universidade Veiga de Almeida, ONG – Ação Comunitária do Brasil, ONG Sociedade em Comunhão cristã e ONG- Espaço de Cidadania e Cultura. Tudo gratuito.


SERVÇO:A 6ª edição do Caxias Fashion acontece nos dias 16, 17, 18 e 19 de setembro, das 10h às 22h, na Praça de Eventos do Caxias Shopping - Rodovia Washington Luiz, 2895 - Duque de Caxias – RJ - Telefone: 2784-2000. A entrada é gratuita. Desfiles e Feira de Negócios dias 16, 17, 18 e 19 de setembro, das 10h às 22h.

14 setembro 2010

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...