29 fevereiro 2012

Como pode uma mão sem o toque ?

SEM PALAVRAS



Miguel é um menino que sente as coisas. E passa toda a vida tentando aprender com a dureza da vida, como se constrói uma identidade. Criado num ambiente pobre de afeto, ele aprende a enxergar nos detalhes, o segredo das coisas. E é nas nuvens que ele se vê espelhado, com todas as dificuldades e arestas da relação pais e filhos. Direção de Lázaro Ramos, roteiro de Elísio Lopes JR. Com Flavio Bauraqui, Clementino Kelé, entre outros.

Direção: Lázaro Ramos
Roteiro: Elisio Lopes
Produção Tânia Rocha

28 fevereiro 2012

A Raiz da História #12 -6 dedos de cabelo

Agora eu sou NEGUINHA, tenho SANGUE e CABELO criolo!
Por:Ingrid do Rio

Foi hoje! O dia que me libertei de tudo o que me mantinha no padrão americanizado, sempre escondi meus crespinhos atrás de químicas, alisamentos, chapinha, escova e todas essas coisas que fazemos para nos manter no padrão “eu sou alisada” que a sociedade nos impõe.

Desde criança sempre sofri um pouco com essa questão dos cabelos, as pessoas não admitiam eu ser “branquinha” e ter “cabelo duro”, então já cresci me questionando e questionando meus pais o porquê de eu ser assim. Como eu tinha um cabelo muito volumoso, difícil de cuidar todos os dias e minha mãe trabalhava, ela sempre me enchia de trancinhas para não ir pra escola com o cabelo todo bagunçado, pegar piolho e aquelas histórias de mãe. Sempre fui muito bem aceita pelos meus colegas, todos adoravam as minhas trancinhas e até tinham meninas que queriam as minhas trancinhas, mas eu não me aceitava, desde cedo eu fazia as pessoas me aceitarem porque um dia meu cabelo seria liso e escorrido como o delas, e não porque eu tinha um cabelo afro lindo.

Na época de pré-adolescência, independente do quão diferente você seja, você é praticamente obrigado a seguir a “modinha do momento”, como eu já tinha chegado nessa fase eu não podia chegar ao ensino fundamental magrela, branca, alta e com trancinhas, isso era o que eu pensava na época. Então como minha mãe não podia me forçar a ir à escola de trancinhas, comecei a fazer relaxamentos “de leve” só pra controlar o volume do “fuazão” (assim, que minha chama os cabelos crespos... rs) e tentar ser parecida a “todo mundo normal”. Eu achava que estava indo bem, todos os dias com o cabelo preso e molhado sem vida, sem graça, meus cachinhos foram desaparecendo e para mim estava tudo bem, até porque meu sonho era alcançar o cabelo liso e perfeito.

O ápice da minha felicidade foi o surgimento da minha ex-dupla favorita: CHAPINHA e ESCOVA PROGRESSIVA, essa foi minha maior felicidade, parecia q eu tinha descoberto algo que mudaria minha vida para todo o sempre. Realmente mudou!

Me sentia linda, andava pelas ruas com os cabelos esvoaçantes, e ai de quem dissesse que eu não tinha cabelos lisos, me achava a “top da balada” com cabelos lisos, até que as raízes que eu tanto negava resolviam aparecer (sim, a progressiva durava somente 1 mês nos meus crespinhos) e destruir meu visual escorrido. E nessa brincadeira passaram-se muitos anos de um cabelo que eu imaginava ser liso, de um cabelo que não era meu, de um cabelo que não nascia da minha cabeça.


Em um belo dia de sol resolvi trocar de progressiva, ficou perfeita: paguei barato, a cabeleireira cortou meu cabelo torto, senti uma queimação muito grande no couro cabeludo e vários fios quebrados. Estava tudo lindo, a escova japonesa custou barato (porque não era de boa qualidade), meu cabelo durou 6 meses lisos (porque tinha muuuuito formol) e com isso ganhei uma bela de uma escamação, que lindo, meus fios estavam sempre com caspas e pedaços enormes de couro cabeludo que se descamavam a qualquer sinal de vento, escova, pente ou lavagem. Depois desse episódio, comecei a pensar remotamente na possibilidade de usar meus cabelos naturais, mas nesse caso, quando não se está preparada, caímos na tentação do poderoso formol de todos os dias. Voltei para a minha cabeleireira de origem e fiz outra progressiva, que lindo, paguei caro, meu cabelo não ficou tão bom, ela acertou o corte, durou 1 mês e eu estava feliz, só o que importava era ele “ser” liso, mesmo que fosse por 1 mês.

Mas o que importa né? O importante é ser alisada, o importante é se sentir linda com um cabelo que está longe de ser o seu cabelo natural, o importante é não notarem que seu cabelo não é naturalmente liso, o importante é... o importante é... O que importa seu meu cabelo é “duro”? O que importa se ele é volumoso? Nada disso importa, ele também é lindo, macio, esvoaçante, estiloso, charmoso... Do jeito que ele é, ele é lindo! Do jeito que ele nasceu, lindo, sem artifícios.

A partir dessas idéias comecei a me questionar, me perguntar o porque de ser alisada, o porque de esconder minhas raízes, o porque de querer negra somente na pele e matar as minhas raízes que sempre cresciam mais fortes do que nunca, o porque de eu me adequar ao padrão que a sociedade me impôs, porque que meu cabelo tem que ser do jeito que eles querem?

Nessa parte da história é onde eu me liberto, matei todos os meus fantasmas (que eram brancos e tinham cabelos escorridos... rsrs), me livrei de todos os medos e decidi cultivar “minha moita da dureza”, sim, resolvi deixar minhas raízes se transformarem em verdadeiras madeixas encaroladas, enroladas, embaraçadas, bagunçadas e lindas!

Passei a amar todo e qualquer “volumezinho” e que via nas cabeças alheias nas ruas de SP, me sentia igual a elas e eles, me sentia parte de cada cachinho. Comecei a garimpar todo esse universo do cabelo afro, fiz amizades com pessoas de cabelos lindos, procurava blogs, sites, páginas relacionadas ao assunto, profissionais, simpatizantes, enfim tudo o que servia de informação.

Tomada à decisão, só me faltava coragem para cortar toda a parte “podre”. Foi um longo processo, dias e dias de coque, indo trabalhar de coque, indo a eventos de coque, indo a festas de coque, indo a shows de coque, indo a churrascos de coque... Gente nessa história do coque uma descoberta: eu tinha VERGONHA do meu CABELO LISO, isso mesmo! Eu tinha vergonha dele, por isso usei coque todos os dias até chegar o dia da liberdade.

E nesse processo, sempre tem o anjinho e o capetinha, que ficam “buzinando” na orelha: “Isso, deixa seu cabelo natural, vai ficar lindo!”, “Nãoo, faz progressiva, não vai alisar esse cabelo, não? Você não vai usar esse cabelo armado, né? Isso não combina com você!”. Agradeço a todos os meus anjinhos pela força, principalmente a Gabriele Menegheti que me apoiou desde a tomada de decisão, e agradeço também aos meus diabinhos, seus lindos, vocês me deram mais força para remar contra a maré e fazer o que eu realmente tinha vontade.


E chegou o dia! Era Véspera de Natal, passei a semana inteira em prantos esperando pelo sábado, uma mistura de pânico, medo, ansiedade, adrenalina, vontade de chegar logo o grande dia, enfim todos os sentimentos bons e ruins juntos e misturados. Entrei no salão “com a cara e sem a coragem”, sentei e esperei pela minha vez, eu estava tensa minhas mãos suavam, minhas pernas tremiam e quando a cabeleireiro falou: “Vem Ingrid, é a sua vez” me deu uma vontade imensa de correr, mas fui.

A primeira madeixa foi o pontapé inicial (lógico) para me encorajar mais, depois dela me tornei mais forte a ponto de largar a tensão, sorrir e esperar pelo resultado. Uma hora e meia, 3 cortes para chegar em 6 dedos de cabelo, é, foi isso o que sobrou do meu cabelo, 6 dedos de raiz forte, 6 dedos de cachinhos volumosos, 6 dedos de cabelo que vão se multiplicar em muitos fios novos, cacheados e lindos!

É inexplicável o sentimento que estava em mim quando saí do salão, uma sensação de liberdade, vontade de gritar “eu nasci com esse cabelo lindo”, orgulho, sabe, de ter meus cachinhos (por mais que eles ainda não estivessem bonitos), eles são meus eu nasci com eles.

Estou me sentindo mais linda como nunca me senti antes, tenho orgulho dos meus cachinhos, amo todos eles um por um, do mais sem forma até o mais formoso, não tive a “preocupação de me preocupar” com a aprovação das pessoas, saí na rua com meus cachos assumidíssimos e arrasei, claro que, tem sempre as pessoas que vão te reprovar, que vão ter preconceito, que vão te aceitar um dia ou não, mas não me importo, na verdade, nunca me importei. Aliás, me importava sim, por isso que fui americanizada um dia, ou melhor, não me importo mais com o que eles dizem o que importa é a minha felicidade com meus cachinhos.

Assumi sim e sou muito feliz com os meus cachinhos, agora eu sou NEGUINHA, tenho SANGUE e CABELO criolo!

#voceleu A Raiz da História
Bem, assim como tem em alguns blogs, aqui você vai pode conta a história do seu
cabelo. Contar todo o processo, seus medos, os resultados, o que ajudou . . .
Quer participar também?! Manda a história com fotos
pro e-mail:trancanago@gmail.com No assunto: A Raiz da História.

27 fevereiro 2012

Nina Simone - Love Me Or Leave Me

Sem palavras, só clica veja e escute.



Se der, escuta essa aqui também, mas essa tem que escutar muito alto.

D.I.V.A.S #4 Whitney Houston

A Diva
Por: Fernanda Moraes

Como são criadas as D.I.V.A.S? Eu não sei se existe uma receita e, mesmo que existisse, acho que ela não seria única, não teria uma quantidade de quantas pitadas ou colheres de charme que uma diva precisa ter. Só sei que a palavra diva me remete a mulheres de personalidade forte e que fizeram a diferença por aí.

Whitney foi uma delas, fez e faz história, assim como Amy – o furacão de voz negra. Não, não é uma comparação. São apenas fatos tristes, por sinal.
No dia 11 de Fevereiro, a diva Whitney partiu deixando sua voz como lembrança, seu dom virou lenda e suas músicas ficarão para eternidade:

Com mãe e madrinha cantoras, Whitney fez sua primeira participação no álbum da mãe que levava o nome de “Think It Over”, em 1978, quando tinha apenas 15 anos de idade. A jovem cantora seguiu apresentando-se com sua mãe, que era uma cantora de gospel famosa e, então, numa dessas apresentações foi descoberta por Clive Davis no início da década de 80. Paralelamente à carreira de cantora, Whitney, também trabalhava como modelo/atriz, o que a ajudou e muito com a popularidade.

Em 1985, enfim, a cantora lança seu primeiro álbum que carregava seu próprio nome. O disco demorou a fazer sucesso, mas o single “You Give Good Love” caiu na boca do povo e as vendas do álbum dispararam. Foram vendidas 25 milhões de cópias em todo o mundo e deixou para trás cantoras como Madona. Após um ano de sucesso a diva já garantia seu primeiro Grammy.

O segundo álbum da cantora seria lançado em 1990 e, novamente, suas canções ficariam, por semanas, em primeiro lugar nos Estados Unidos. “I’m Your Baby Tonight” rendeu a cantora 12 milhões de cópias. Em 1992, Whitney faria parte de outro grande sucesso mundialmente conhecido, mas dessa vez nos cinemas: “O Guarda- Costas”, onde fez par romântico com o ator Kevin Costner. Além de atuar, a cantora, também, assinou 6 canções da trilha sonora do filme.


Quem consegue se esquecer de“I Will Always Love You”???




Em 94, a cantora veio a primeira vez ao Brasil e levou seus adoradores à loucura em um show em São Paulo e outro no Rio de Janeiro. Após 8 anos de amadurecimento profissional e alguns sucessos e filmes, a diva lança “Just Whitney” e, em seguida, assume ao público que faz uso de cocaína, maconha e outras drogas. Por conta dessa declaração, a carreira de Whitney quase acabou...

Em 2006, a cantora ressurge divorciada do seu, então, marido Bob Brown e é ovacionada por seu público fiel. É capa de jornais e revistas, como a Raça Brasil. Desde então, a diva ensaia uma volta aos palcos e a sua vida pública. Dois anos depois, em 2008, uma parceria com o cantor Akon "vazou" na internet e virou sucesso em todo mundo, mas somente em 2009 a cantora lança seu álbum “I Look To You”.

Em 2010, a cantora lançou um DVD pra comemorar seus 25 anos de carreira e em 2011 gravou, depois de 15 anos longe das telas, o filme “Sparkle”. Que tem previsão de ser lançado em Agosto deste ano.

No dia 11 de Fevereiro, o corpo da D.I.V.A foi encontrado no hotel em que estava hospedada, ainda não se sabe ao certo o que aconteceu e exames só apontaram a presença de águas em seus pulmões causado por um, possível, afogamento.

Premiações
2 Emmy Awards
6 Grammy Awards
30 Bilboard Music Awards
22 American Music Awards

Álbuns em estúdio
1985: Whitney Houston
1987: Whitney
1990: I'm Your Baby Tonight
1998: My Love Is Your Love
2002: Just Whitney
2003: One Wish: The Holiday Album
2009: I Look To You

20 fevereiro 2012

Ala laô ô ô… Mais que calor!

Por: Juliana Barauna

Hey Blacks! Primeiro post no blog e que responsabilidade, hein?!

Pensando nos dias de leitora lembrei de quando meu black estava muito grande e o verão do Rio castigava enquanto pulava nos blocos de rua durante o carnaval. Uma ótima saída para amenizar foi utilizar chapéu.



É bem simples: um “rabo de cavalo” peso bem rente a nuca e o chapéu.




Garanta a folia também não esquecendo de usar roupas leves, oculos escuros, beber muita água e o protetor solar.

Bom carnaval, Blacks!

18 fevereiro 2012

Cartolas para o carnaval, que tal ?

O que vai fazer sua cabeça nesse carnaval? Claro, além das tranças. Cartola, que tal?






#Ficaadica Gostou? Quer? Entrar em contato com Raquel,(21)9245 8972 ou 7718 9866 e vá pular o carnaval de Cartola

16 fevereiro 2012

Look Black BR #6

Nossa leitora Jessica Mello



Eu tava indo pegar estrada com meus pais :D

Blusa - C&A - 25 reais
Short- C&A - 50 reais
Tênis - Converse : Conexão C.O original - 80 reais
Lenço "tupac" - Madureira no camelô - 6 reais

--
No Look Black BR você pode manda pra gente uma foto sua de corpo inteiro, incluindo os pés... queremos ver tuuudo! Tire fotos, também, dos detalhes do cabelo, pulseiras, brincos,... do que você mais gostar no seu visual e mande pra gente. Depois diga onde comprou cada peça e também onde fez o cabelo (se tiver com alguma arte nele) e também nos fale para onde estava indo tão bonita(o) assim! Quer participar? em em em Manda tudo pro e-mail:trancanago@gmail.com. No assunto você coloca: Look Black BR

06 fevereiro 2012

Esperanza Spalding - Black Gold

A música nem termina e você já está cantando o refrão juntinho. Sem falar na quela linda que é a Esperanza, que cabelo é esse. Veja Veja. Seja curioso(a) veja a letra também.

Twist #5

Você já viu aqui algumas possibilidades de como usar o Twist. Essa é mais uma pra mudar a textura do seu cabelo com Twist.


03 fevereiro 2012

Look Black BR #5

kesllyn biscainho no tradicional baile charme que acontece embaixo do Viaduto de Madureira(RJ)




Usei esse look para ir ao baile do viaduto de madureira ...

Brincos de argola: Ferinha da Uruguaiana(RJ), R$3
Blusa Branca: Desenhada a mão fábio Alves do Trança *Nagô*, R$35
Calça skinny lycra/preta : C&A, R$60
Cinto de couro marrom: C&A, R$27
Sandalia preta: Sonho dos Pés, R$148

--
No Look Black BR você pode manda pra gente uma foto sua de corpo inteiro, incluindo os pés... queremos ver tuuudo! Tire fotos, também, dos detalhes do cabelo, pulseiras, brincos,... do que você mais gostar no seu visual e mande pra gente. Depois diga onde comprou cada peça e também onde fez o cabelo (se tiver com alguma arte nele) e também nos fale para onde estava indo tão bonita(o) assim! Quer participar? em em em Manda tudo pro e-mail:trancanago@gmail.com. No assunto você coloca: Look Black BR

Look Black BR #4

Quelli A. Santos Indo visitar a mamãe, mas para fazer uma média, tenho que ir no estilo!


Não estava no momento de muitos acessórios, porém, achei que estava bem. Estava indo visitar minha mãe.

Vestido: C&A
Brincos: Loja Morana - Taubaté Shopping
Calçados: Leader
Cabelos: Rua 7 de Setembro - Centro/RJ (Salão Beyoncé Hair)
Make: Sombra Azul Cristal de Duda Molinos Gloss de MAC

--
No Look Black BR você pode manda pra gente uma foto sua de corpo inteiro, incluindo os pés... queremos ver tuuudo! Tire fotos, também, dos detalhes do cabelo, pulseiras, brincos,... do que você mais gostar no seu visual e mande pra gente. Depois diga onde comprou cada peça e também onde fez o cabelo (se tiver com alguma arte nele) e também nos fale para onde estava indo tão bonita(o) assim! Quer participar? em em em Manda tudo pro e-mail:trancanago@gmail.com. No assunto você coloca: Look Black BR

02 fevereiro 2012

D.I.V.A.S #3 Paula Lima

Por: Fabio Alves
Vamos continuar com o Especial Divas, mas agora com uma representante brazuca! Afinal, DIVA é sempre DIVA, não importa a nacionalidade. A ordem das nossas musas inspiradoras nada tem haver com a ordem de importância, estilo ou algum grau de hierarquia, apenas a ordem que os textos vão ficando prontos. =D

A cantora da vez é a paulista Paula Lima, dona de uma voz poderosa e de um estilo singular, estudou piano durante a infância dos sete aos dezessete anos e participou de festivais abusando do seu talento vocal. Formou-se direitinho em direito,(#trocadilhopodre #masnaoresisti), cursou também um ano de publicidade e, na época da faculdade, participou do grupo "Unidade Móvel", que mais tarde passou a se chamar "Unidade Bop" e gravou o CD "Quebrando o Gelo do Clube".

Já fez backing vocal de Jorge Ben Jor, cantou com a dupla de rap Thaíde e DJ Hum. Integrou uma banda chamada "Zomba", logo depois conheceu o "Funk Como Le Gusta", na qual teve grande projeção e fez várias apresentações no eixo Rio-São Paulo. Em 2001, lançou seu primeiro cd solo chamado "É Isso Aí", recebendo elogios meus e do meu pai (falou A Crítica ¬¬). Com seu álbum solo foi indicada à categoria de revelação pelo Prêmio Multishow! Aí já era, já virou D.I.V.A, não é? Ah, ela também foi jurada no reality show "Ídolos", na Rede Record, e saiu no ano de 2011 para dar lugar à cantora Luiza Possi. ¬¬


Além do sorriso, suas hiper, super, big, mega, ultra tranças sempre chamaram atenção. Junto com um estilo de se vestir e, é claro, a voz, o cabelo é uma das marcas registradas de Paula Lima. Agora, dona de poderosos cachos, ela nunca apareceu em público com as madeixas alisadas.

Discografia
Unidade BopQuebrando o Gelo (1994)
ZombaZomba (1998)
Com o Funk Como Le Gusta
Roda de Funk (1999)
É Isso Aí (2001)
Diva Paulista (Europeu - 2003)
Paula Lima (2003)
Sinceramente (2006)
SambaChic (DVD) (2008)
Outro Esquema (2011)


Então comente. . .
e diga qual a sua música favorita da Paula lima?

Ilê Aiyê e Criolo - Ilê Aiyê | Que Bloco É Esse?

tá escutando esse som aqui ? tá ouvindo cara, esse barulho? tá sentindo essa tremida? -ai é Ilê Aiyê cara PORADÃO.




TEXTO DO VIDEO:
O videoclipe da música Ilê Aiyê, que traz juntos pela primeira vez o rapper Criolo e o primeiro bloco afro da Bahia, é uma ode ao Ilê Aiyê, exaltando a Liberdade - bairro com a maior população negra do Brasil - e mostrando um cotidiano valorizado pela simplicidade, auto-estima e respeito.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...