28 janeiro 2011

Na minha família não tem Sapo. . . parte 1 de3

Por Agnes Maria

Venho de uma família grande, unida e muito bagunceira como convém a toda a família desse porte, neles encontrei minhas referencias para tudo, meus heróis, minhas bases, meu conceito de beleza. Afinal o ser humano busca isso no dia a dia para construir sua personalidade.

Veja bem, quando crianças, suspiramos com a mulherMaravilha e com o superHomem, vibramos ao som da Angélica e da Xuxa, e sempre sonhamos em ser paquitas ou modelo, suspiramos com as princesas da Disney, Barbie, e outras bonecas loiras e rosadas.

Crianças sempre buscam heróis, e comigo a historia não foi diferente, o mais parecido era o saci, que era pretinho, mas era bem safado, não tinha uma perna e fumava um cachimbo. Desisti de procurar exemplos na mídia e no folclore e me inspirei na minha própria família.

Fui crescendo, e na escolinha quando brincavam com meu cabelo de trancinha (os bonzinhos), ou faziam algum comentário maldoso (os malvados), comecei a me perguntar por que não havia bonecas negras, ou algo que me fizesse acreditar na beleza da minha etnia. Mais uma vez por intervenção da minha família aprendi a valorizar diferenças, exaltando-as e não me afundando em criticas. Como uma prima, por exemplo, cortou seus cabelos por que eles não eram como os da Barbie.

Ao lado da minha família presenciei casos de racismo, discriminação, e preconceito, quando enfrentei cada um deles, encontrei nela a base para me fortalecer e aprender que o ser humano é diferente.


LEIA A
PARTE2


Por Agnes Maria

3 comentários:

  1. Famílias sempre são a melhor escola quando se fala sobre formação quanto as questões de raça/cor. Se a família não fala sobre isso ou não se afirma, consequentemente as suas crianças vão absorver e refletir o mesmo comportamento. Parabéns pela família, Agnes.

    ResponderExcluir
  2. Menina comigo aconteceu justamente o contrário, aff! Minha mãe tecia sempre comentários preconceituosos e racistas em relação a mim toda vez que eu a desobedecia. Durante muito tempo eu mutilei meus cabelos, quis jogar água fervente em meu corpo (sugestão de mainha p/ mudar de cor) e me arranhava com as unhas só pq ela e meus outros irmão sempre me fazia acreditar que eu tinha uma "doença": a cor negra... Sabe hj acredito q ela se arrepende amargamente de tudo aquilo q me disse durante a infância e adolescência pq justamente eu a NEGRA da família foi a quem mais deu ORGULHO e PRAZER, segundo ela.. Como disse Élida parabéns Agnes por vc ter a sorte de nascer em uma família amorosa e consciente de sua etnia.
    Bjus.

    ResponderExcluir
  3. Tenho de agradecer todos os dias mesmo pela familia que tenho.
    Com eles conheci as melhores coisas e aprendi a ter orgulho negro.
    Joseni parabéns por conseguir superar as críticas e orgulhar sua familia. Sua mãe e seus irmãos foram frutos do meio compraram a idéia q a mídia vende d forma subjetiva. E foram vitimas tbm pq sabem q pronunciaram muitos absurdos pra vc.
    Cabe a nós agora lutar contra isso, tenho certeza q nossos filhos não passarão pelo q vc passou.
    Aguardem o final da crônica tá bem legal produzi com carinho.
    Obrigada pelos comentários adorei.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...